27.8.14

Rotinas


 
Temos aproveitado cada minuto da melhor maneira, hora de almoço incluída. Quando não posso ficar com ele todo o dia, vou levá-lo mais tarde e buscá-lo à hora de almoço. A avó fica normalmente da parte da tarde e em casa dela há piscina, brincadeira e diversão garantidas. Quando posso como hoje, vem comigo de manhã, buscar cheques às Companhias, comprar material de escritório, à contabilista, até às finanças já me acompanhou. Adora fingir que trabalha e pede-me uma moeda muitas vezes depois de me ajudar. De manhã, tomamos um pequeno-almoço enroscados na sala, eu não sou grande apreciadora dos heróis da Marvel, mas desde que fez os 5 anos já não há canais proibidos lá em casa e eu sei que faz parte, afinal de contas é rapaz. De qualquer forma adora a Violetta (que para mim é uma tortura maior, confesso), e as sereias da H20, e esta última série vemos os dois religiosamente (ou quando estão as meninas, os 5). Adoro. É que à parte do disparate de serem sereias, e de toda a série de magias incríveis e absurdas que fazem, a série é fantástica. Depois da higiene, perfumamo-nos (o Afonso tem um perfume natural que adora que a Ju lhe trouxe do Brasil e que é tão mimoso), colocamos o spray dos caracóis, calçamos os sapatos e rumamos à escola. O Afonso é muito vaidoso e adora estas coisas. Pelo caminho cantamos e paramos sempre antes do semáforo para dizer olá ao papagaio Francisco que nos assobia e responde. Até as miúdas já o adoram e já se tornou um ritual de família. À noite há sempre mais tempo, um banho seguido de massagem, janta e sempre algum tempo para brincar ou ver TV. Quando está a Mafalda o banho é mais prolongado, às vezes de espuma e hidromassagem e a massagem prolonga-se por mais tempo que ela também adora.
 
 
Eliminámos o Ipad da nossa rotina diária, ordens do novo oftalmologista do Afonso. Descobrimos por insistência que o Afonso estava mal graduado depois de fazer uma dilatação maior, com o Dr. Reich de Almeida em Lisboa que é um dos maiores especialistas do país em oftalmologia pediátrica. O Afonso tinha graduação a mais e isso seria muito prejudicial ao desenvolvimento pleno da sua visão, que poderia inclusivamente ficar comprometida. O Afonso não tinha qualquer noção de profundidade, ou visão 3D, o mundo era plano para ele, a imagem estava a ser projectada depois da retina causando uma visão muito débil. Tinha dores de cabeça, via em duplicado, tinha comichão, cansaço, desequilíbrio acentuado e entortou um olho nos últimos meses. Depois de inúmeros testes e umas quantas consultas alterámos as lentes, desceu de 7 dioptrias para 3,50 e parece um menino diferente.
 
Voltando à nossa rotina, depois da televisão vem uma das nossas partes preferidas do dia, enroscados na cama da mãe a ler a história. É um momento tão nosso, tão cúmplice, tão mimoso. Lemos uma, duas, ou três histórias pequeninas, consoante o tamanho e a disposição. Ele aproveita tudo para a brincadeira e dá aquelas gargalhadas profundas que me enchem o coração de alegria. Depois quer sempre que lhe faça perguntas, tipo jogo, e quando adormece entretanto levo-o ao colo até à cama dele. Quando não, dou-lhe a mão até adormecer, toda torta ao lado da caminha dele, a ouvir as ultimas aventuras ou desabafos daquele dia.
 

3 comentários:

D. disse...

É tão lindo poder-se ter uma vida assim.
Também gostava de conseguir ter algo assim, em que tivesse mais tempo e tivesse a oportunidade de ter os meus, neste caso, as minhas :) sempre junto de mim.
Que tenham muitos dias assim, fantásticos.

Vanessa Casais disse...

Oh D. eu também penso assim, infelizmente isto é só durante as férias. Quando as aulas começarem a rotina muda. (Muito embora ainda faltem metade das férias para gozar)

Obrigada pelo carinho.

Vanessa Casais disse...
Este comentário foi removido pelo autor.

Postar um comentário