8.2.14

Os olhos com que se vê


Já não sinto o filtro, aquele que me diz o que é meu, e o que é teu. Já não conheço limites, porque eu vejo amor em cada esquina, até numa casca de noz. E também para eles nós já somos os cinco. 

E é tão bom brincar com isso, e com lábios e bigodes e o jogo da mímica para nos imitarmos uns aos outros. As gargalhadas deles, e as nossas. Nada melhor. E apesar do Afonso ter tido uma recaída esta semana, e do cansaço das noites mal dormidas, os dias foram recheados de mimos e de brincadeiras. Os dinossauros invadiram a sala, os Narcisos invadiram o jardim. E eu e tu, só estamos bem assim. 

Quando as maiores duvidas me assaltam também eu penso «O que faria o Batman?».  E tenho a certeza que esta força (que as mães têm), e esta vontade de me superar e ser sempre o melhor de mim mesma (que eu ganhei), têm tudo a ver com aqueles poderes especiais que todos os heróis têm de ter - um coração puro, amor para dar e para vender e uma super-visão que nos permite ver sempre tudo com outros olhos. 

Obs: Ilustrações Catita com desconto de 30% quase a terminar.

2 comentários:

Enjoy the Ride disse...

sem capa e sem receio de os mostrar, as mães têm de facto super-poderes. :)

Vanessa Casais disse...

;)

Postar um comentário