24.3.11

Aventuras

Aventuras, só aventuras na última semana, mas sempre me mantêm distraída das notícias que tardam em chegar. A máquina da loiça nunca lavou muito bem, da última vez que o Sr. da assistência cá veio disse-me que era das pastilhas, uso Calgonit, e eu que já o chamava pela terceira vez, achei logo aquilo um disparate. A minha mãe entretanto, meses mais tarde, deu-me umas pastilhas dela. E não é que fez a diferença? Liguei para a Calgonit, expliquei a situação. Há anos que usamos esta marca e estava descontente porque no final da lavagem a pastilha permanecia praticamente inteira. Do outro lado:
-A Sra. utiliza que embalagem?
-A Calgonit Finish Powerball tudo em 1.
-E coloca sal e abrilhantador?
-Sim.
-É que as pastilhas já trazem o sal e o abrilhantador e pode estar a provocar uma overdose na máquina.
-Isso até podia ser verdade mas a pastilha não se dissolve no final da lavagem pelo que não provoca nem overdose, nem dose, nem meia dose.

Resultado, mandei três espécimes para análise, com o código de barras do artigo, para eles analisarem, entretanto eles enviam-me outra embalagem.

Faz-me lembrar a história da Dodot. Depois não cheguei a partilhar mas com o novo lote de fraldas que me enviaram não voltou a acontecer o mesmo. Coincidência ou não, o facto é que muitas vezes devemos chamar a atenção das marcas, manifestando a nossa opinião e exigindo os nossos direitos enquanto consumidores. Se um produto não cumpre a sua função o consumidor está a ser lesado.

Ontem foi a vez da factura da electricidade. Depois de uma última contagem em Novembro e de uma nova em Fevereiro, decidiram retirar o valor de estimativa pago em Novembro/Dezembro e Janeiro/Fevereiro, e atribuir um novo valor de com 450 Qts. no primeiro período e 690 Qts. no segundo. Perguntei como é que chegaram aqueles valores com uma leitura feita em Fevereiro. Porque não ao contrário 690/450? Ou seja, porque é que tinha consumido mais em Janeiro se é em Dezembro que ligo lareira eléctrica, luzes de Natal, forno, aquecimento, máquina de secar? Passei por três pessoas diferentes, falaram-me na regra de três simples, que nem sequer estava a ser aplicada, e no fim disseram-me para colocar o assunto por escrito. E lá seguiu, por email e por fax. Agora é aguardar que me expliquem, se eles conseguirem entender.

No final do dia toda contente, ou assim-assim, que é o que mais me define ultimamente, fui ao Jumbo. Era o início do Folheto de Jardim e eu queria as almofadas para as espreguiçadeiras do Polegar. Foi com grande decepção que vi os preços todos mal marcados, os artigos trocados, e a maior parte do folheto em falta. Depois de chamarmos o primeiro responsável, disse-nos que o que contava era o preço marcado, que isso do folheto às vezes é só imagem ilustrativa, que até vem escrito. Pois não contentes, chamámos o seu superior, o preço das almofadas estava mal marcado, as próprias características do produto mal descriminadas. Em seguida ajudei-o a retirar alguns cartazes amarelos que anunciavam preços errados, e até me ofereci para o ir ajudar hoje a organizar aquilo. Pagámos o preço do folheto, e ele ficou como meu contacto, e antes mesmo de virem as novas plantas vai-me telefonar para quando chegarem e pelas palavras dele «Eu as poder escolher frescas e viçosas.».

No trabalho também foi a semana das reclamações. Mas para animar os meus dias, tem sido uma semana recheada de prémios. À medida que os for recebendo, vou partilhando. Eu acho que tenho um talento natural para algumas coisas, uma delas é sem dúvida reclamar e outra é ganhar prémios!

4 comentários:

Mami ( Sónia ) disse...

Fazes muito bem em reclamar!!!!

Me,myself & I! disse...

Realmente,também já tive problemas com fraldas e nunca me dei a esse trabalho...
Obrigada pela dica!

Anônimo disse...

Nada convencida...

Vanessa Casais disse...

Obrigada Sónia e Me,myself&!
Caro anónimo, não há defeito sem virtude, nem vice-versa.

Postar um comentário