2.6.11

Espiga

Imagem Espiga 

De acordo com a wikipédia, deve-se celebrar o dia da espiga na Quinta-feira da Ascensão, com um passeio matinal, e colher espigas de vários cereais, flores campestres e raminhos de oliveira para se fazer o tradicional ramo de espiga. Dita a tradição, que se deve colocar o ramo por detrás da porta até ao ano seguinte. Diz ainda, que o dia da espiga é também o "dia da hora", por ser "o dia mais santo do ano" e aquele em que não se deve trabalhar. Diz-se que à hora do meio-dia, tudo pára, as águas dos ribeiros, o leite não coalha, o pão não leveda e as folhas não se cruzam. É a essa hora que se colhem as plantas para fazer o ramo da espiga.

Hoje cheguei cedíssimo ao escritório e ainda fui à "Baixa" da Parede, para ir aos Bispos ver tecidos para fazer uns guardanapos à máquina nas férias. Sem saber fiz a caminhada matinal da espiga e fui encontrando toda a gente, que a "Baixa" da Parede é tipo aldeia. O José N. a falar com o polícia; a tia do André a lavar a montra da loja; a Lola a caminho da óptica; o João a deixar a mulher na praça; as vendedeiras a vender ramos de espiga à porta do Pingo Doce; vestidos muito giros nas montras. A minha qualidade de vida é fantástica, trabalho aqui e moro aqui, exactamente no sítio em que sempre me senti em casa, e onde as pessoas me conhecem desde criança. É aqui o meu partido, foram aqui as minhas escolas. Foi aqui que morei grande parte da vida e para onde sempre quis voltar depois dos meus pais se mudarem para S. João. A nossa terra diz muito sobre nós. Aqui temos praia, jardim, praça com varinas de Alfama. Aqui tenho amigos que me conhecem de nascença. Trabalho na casa onde primeiro assentei arraiais vinda da maternidade, era então casa de grandes amigos dos meus pais.

Hoje fui almoçar a casa e apanhei uma papoila vermelha, diversas espigas, videira brava e malmequeres e fiz o nosso ramo de espiga. O André começou a gozar comigo disse que não era videira, que era oliveira, e que não levava nem papoilas nem malmequeres. Nos entre tantos, juntou-lhe a oliveira e descubro agora que está tudo certo mas que ainda lhe falta o alecrim.

A simbologia do ramo de espiga é:

Espiga – pão;
Malmequer – ouro e prata;
Papoila – amor e vida;
Oliveira – azeite e paz; luz;
Videira – vinho e alegria e
Alecrim – saúde e força.

Que este ano seja para todos não de fartura mas de auto-suficiência, que não tenhamos demais mas o bastante, até porque tudo o que é demais é perdido. 

Como este é o mês da Espiga a Lusitana lançou uma série de promoções, saiba mais aqui.

3 comentários:

eu disse...

Rapariga essa alface é do Entroncamento looool

Vanessa Casais disse...

Ah pois é!

Ana P. disse...

Nem sabes como invejo essa tua rotina diária! Quem me dera voltar a trabalhar na Linha!
Beijocas

Postar um comentário